Chiclete com Banana - Discografia

Discografia


Foi Deus
 
Foi Deus
 
Foi Deus que mandou
 
Você pra mim
 
Colocou em meu caminho
 
Me fez ter muito carinho
 
Fez mais uma de amor
 
E o calor que eu sinto é
 
O amor que você me traz
 
Pois você
 
Pedaço de mau caminho
 
É delirar
 
Enlouquecer devagarinho
 
Viver ao léu 
 
Pairando solto pelo ar
 
Na esperança de te ver
 
Te encontrar
 
Mas se eu te vejo
 
Eu fico louco de desejo
 
Pergunto a Deus se isso
 
É amor ou o que é que há
 
Só sei dizer que fico doido
 
Atrás de um beijo
 
E penso até que vou morrer
 
De tanto amar


Numa viagem da Bahia a Fortaleza
 
Vou curtir sua beleza
 
Mas sei que vou voltar
 
E dou um pulo na cidade de Recife
 
Quem quiser que acredite
 
Nesse som que vai rolar
 
Paraná, Curitiba, Teresina
 
No olhar de uma menina
 
Que viaja sem parar
 
Que é minha estrela
 
É meu guia é meu som
 
Pois eu canto em qualquer tom
 
Faço seu corpo balançar
 
Dançar um Heavy-Reggae
 
Até que é legal
 
Curtir um som metal 
 
Em pleno carnaval
 
Transas transcendentais
 
Podem lhe acontecer
 
E a parte que falta 
 
você vai dizer
 
Pois tudo pode não 
 
Lhe parecer real
 
O mundo em 3 por 4 
 
É tão fenomenal
 
Viaje nesse som que 
 
Eu vou lhe mostrar
 
Que ao som dessa guitarra 
 
Você vai pirar


Meia lua inteira
 
Sopapo na cara do fraco
 
Estrangeiro gozador
 
Coca de coqueiro baixo
 
Quando o engano se enganou
 
São din, dão, dão, São Bentos
 
Grande homem de movimento
 
Martelo do tribunal
 
Sumiu na mata dentro
 
Foi pego sem documento
 
No Terreiro Regional
 
Capoeira Larará
 
Capoeira Larará
 
Terça-feira Capoeira Larará
 
Tô no pé onde der Lararará
 
Verdadeiro Larará
 
Derradeiro Larará
 
Tô no pé onde der Larará
 
Bimba, biriba à mim que diga
 
Taco de arame, cabaça barriga
 
São din, dão, dão, São Bento
 
Grande homem de movimento
 
Nunca foi um marginal
 
Sumiu da praça há tempo
 
Caminhando contra o vento
 
Sobre a própria capital
 
Capoeira Larará


Não vou dizer não à vida
 
Não tenho porque parar
 
Se o momento é agora
 
Não vou deixar escapar
 
Se tens a faca e o queijo
 
Então por que não cortar?
 
Se o bem e o mal
 
Andam juntos
 
Então no que acreditar?
 
Tenho um segredo prá isso
 
Que só o tempo lhe dá
 
E não se pode ter medo
 
Nem de seguir nem de sonhar
 
Quero ser herói
 
E não bandido
 
Já perdi o medo de pecar
 
Quero estar curado 
 
E não ferido
 
Se a chuva cair 
 
Não vai me molhar


Na mistura da cor
 
Tabuleiro de damas
 
No gingado da nagô
 
Trópico Banana
 
Iê, iê agita Brasil
 
Mistura de cor
 
A crença na figa
 
No deus do amor
 
Olhe o samba daqui
 
Veja o frevo dobrado
 
Do Oiapoque ao Chuí
 
Um swing levado
 
Cheguei
 
Bota lenha no fogo
 
E não deixa apagar
 
Segure essa onda
 
Se cair vai quebrar
 
Ô Nairê olaraiô
 
Ô Nairê olaraiô
 
Tem feitiço Ipanema
 
No sol que nos queima
 
Sacode êh Bumba-meu-boi
 
Ô Nairê olaraiô
 
Ô Nairê olaraiô
 
Tem o dengo da fêmea
 
Morena, tempero de cor
 
Fluindo esse amor


Esse jeito bem estranho
De ganhar gastando vida
Serei muito louco

Num presépio de cimento
E só com lenço
E documento viver
Maracujá pro bebê

Se o sonho acabou
E não teve final
Mas Freud explicou
Tudo é carnaval

Chega, chega, chega
Chega pra ver
Chega mais
Chega pra me dizer
Se eu acredito em você (bis)

E se chego estou partindo
Mas saudade vou sentindo
E você, muito louca
Cada porto um aborto

É tão difícil
No sentido viver
Maracujá pro bebê

Esperança no ar
Mas se o sol vacilar
Só vai chover
Mundo louco


Garota eu não minto pra você
 
É o tempo que
 
É curto prá te ver
 
Na segunda o carro quebrou
 
Na terça-feira 
 
Estou sem grana
 
Vou à missa na quarta e quinta
 
Quando acaba
 
Fica tarde prá te ver
 
Sexta-feira estou de cama
 
Sábado eu lhe telefono
 
O domingo é meu descanso
 
Mas prometo que 
 
Em dia vou te ver
 
Vou te ver, vou te ver
 
Pode acreditar
 
Eu vou lá, prá te ver
 
Pode esperar
 
Como é que pode ôi... ôi..
 
Como é que pode ôi... ôi...
 
Eu sei que
 
É difícil acreditar
 
Tem gente que 
 
Só quer me complicar
 
Mas se for preciso juro
 
Que na quarta 
 
O carro quebra
 
Terça-feira eu vou à missa
 
E que só namoro com você


Batuque no cais
 
No cais chegou
 
Urbano virou (bis)
 
Tambores urbanos
 
Repicam evocam seu rei
 
Na grande cidade
 
Batuque é o grito de paz
 
Nos becos, favelas, ladeiras
 
Na beira de qualquer abismo
 
Misturando a dor
 
Quasares e o tan do tambor
 
Tan, tan, plan
 
Tan, tan tocou
 
E o vento levou
 
Ai, ai, iê
 
Ai, ai, iê(bis)
 
Tambores que deixam
 
A marca na mão
 
A crença da vida
 
Na cura da dor
 
Sorriso de paz
 
Como a expressão
 
No rosto cansado do sofredor
 
Tambores, batidas do coração
 
Passado, presente
 
Buscando amor
 
Iê o, iê o
 
Iê o, iê o


Macacos me mordam 
 
Se mudo eu ficar
 
Não calo minha boca
 
É pra contrariar
 
Eis o xis da questão
 
O tesão saltou da cama
 
Para expressão (bis)
 
O ponto do i deu um pulo
 
E passou para o ponto final
 
Eu sou um ex-brega
 
Agora um pop-metal
 
Deixando cair 
 
A pose no carnaval
 
Tudo é normal - tudo é normal
 
É pitibiri, é pitibirá
 
Um ser sexy brega
 
Provoca turbulências 
 
Libidinosas
 
Em donzelas 
 
Tímidas C.D.F.s
 
Que parecem bibelôs
 
De penteadeira (bis)
 
Que sonho erótico, gatinha
 
E acorda gritando
 
Sintonize
 
Uôôô uôôô Uôôô


Jogue a vida arrisque 
 
Tudo e curta esse amor
 
Se livre dessa cara
 
Amarrada e saia 
 
Como entrou
 
Um cochicho apimentado
 
Quero lhe falar
 
Eu não sei se apago 
 
A luz ou deixo como está
 
Procure, na sombra
 
Da flor de espinho
 
Num peixe de mar sozinho
 
Desnude esse amor
 
Tristeza, reflete 
 
No rio do meu rosto
 
Pintura de amor e desgosto
 
Você quem pintou
 
E eu perco meu tempo 
 
Pra lhe convencer
 
Fico com medo do dia amanhecer
 
Ieieieie quero amar você
 
É tarde, preciso
 
Dormir princesa
 
Rainha de toda beleza
 
Sonhar esse amor